O bicicletário, as bicicletas e outros que tais

Nesses tempos de valorização da mobilidade nos centros urbanos o que, decididamente, não pode faltar no condomínio é o bicicletário. Mesmo com o aumento na oferta de bicicletas compartilhadas nas grandes cidades, o número de pessoas que prefere ter a sua é igualmente expressivo.

O bicicletário, conceitualmente, é o lugar para se guardar… bicicletas!

Porém, na prática, não é isso que se observa na maioria dos condomínios: guarda-se de tudo lá, desde carrinhos de bebê, botas de esqui, malas, sacolas, barracas de camping, etc.

O síndico, às vezes, tem dificuldade de organizar isso, frente a tantas outras prioridades na gestão do condomínio.

bikes6

Talvez o primeiro passo seja a revisão do Regimento Interno, documento que disciplina as regras de convivência; é nele que se registra o que pode e o que não pode nesse e em outros locais.

Por exemplo, regulamentar que as bicicletas – e seus congêneres, como triciclos infantis, patinetes, etc. – deverão ser guardadas somente no bicicletário e identificadas com o número da unidade e proprietário, sugerindo, ainda, que se utilize de correntes, cabos e cadeados.

Outro quesito que pode tirar o sossego do síndico é quando há vários itens abandonados.

Caso não esteja previsto na convenção, ou no próprio regimento interno, poder-se-ia elaborar uma circular orientando que bicicletas ou outros bens que forem abandonados na área comum serão catalogados e, depois de decorridos sessenta (60) dias do aviso entregue sob protocolo aos condôminos, serão doados à instituição de caridade, depois de ratificado em assembleia.

E, a exemplo da garagem, identificar e sortear as “vagas” (no piso, ou fixadas na parede) no bicicletário. Sim, porque um ponto de atrito recorrente é quando – bicicletário lotado – o condômino, que posiciona sua ‘magrela’ sempre naquele suporte, quando retorna de um passeio percebe que há outra na sua vaga.

Sobre Orandyr Luz

Consultor, articulista e palestrante, especialista em gestão condominial. Autor dos livros "Evolução Histórica do Condomínio Edilício", São Paulo/SP: Editora Scortecci, 2013, "O condomínio daquela rua - Histórias e causos nesse ambiente peculiar", São Paulo/SP: Editora Biblioteca 24horas, 2015 e "O condomínio & você - Práticas de gestão condominial", Curitiba/PR: Ed. Juruá, 2018. Ciclista, leitor, cidadão.
Esta entrada foi publicada em administração com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s