Resíduos eletrônicos e falta de oxigênio nos oceanos

Lendo notícias recentes em mídias distintas, algumas especializadas, me deparei com um estudo da ONU, que constatou que em 2016, foram gerados 44,7 milhões de toneladas métricas de resíduos eletrônicos, um aumento de 8% na comparação com 2014. Especialistas preveem um crescimento de mais 17%, para 52,2 milhões de toneladas métricas, até 2021.

“A proteção do meio ambiente é um dos três pilares do desenvolvimento sustentável (…). A gestão do lixo eletrônico é uma questão urgente no mundo digitalmente dependente de hoje, onde o uso de aparelhos eletrônicos está aumentando”, disse Houlin Zhao, secretário-geral da União Internacional de Telecomunicações (UIT). Disponível em: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2018/01/05/141073-lixo-eletronico-representa-%E2%80%98crescente-risco%E2%80%99-ao-meio-ambiente-e-a-saude-humana-diz-relatorio-da-onu.html.

animal footprints

Por outro lado, não menos preocupante e igualmente pondo em xeque a intervenção do “Homo sapiens” nas mudanças climáticas do planeta, um artigo de jornal (http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2018/01/05/interna_ciencia_saude,651465/em-50-anos-areas-de-oceanos-sem-oxigenio-quadruplicaram.shtml) dá conta de que há grandes áreas nos oceanos sem oxigênio.

Lisa Levin, bióloga oceanógrafa americana, afirma que o declínio do oxigênio nos oceanos está entre os efeitos mais sérios da atividade humana no meio ambiente da Terra.

Para ler os textos na íntegra é só clicar nos links.

À reflexão, (antes que seja tarde).

Anúncios
Publicado em sustentabilidade | Marcado com , , | Deixe um comentário

Barulho exclusivo

A administradora recebeu o registro de uma reclamação do condômino do 801 sobre o barulho da noite anterior, de uma festa que teria havido no 802, onde residia uma jovem estudante universitária.

Dizia ele que a festa tinha ido até altas horas da madrugada; muito barulho, vozes e música alta…

No encaminhamento à administradora, o síndico solicitou que se enviasse uma multa à condômina, uma vez que se tratava de reincidência. Mesmo porque, outros registros – reclamando de barulho – tinham sido feitos pelo mesmo condômino, e uma advertência já havia sido enviada à moça do 802.

Da administradora, o gerente responsável pelo condomínio enviou e-mail ao síndico ponderando que, tanto nos episódios anteriores quanto nesse último, não tinha havido qualquer outra reclamação por parte de demais moradores.

E, se a festa tinha sido ‘de arromba’ – como fora registrado – por que nenhum outro condômino se incomodou ou se manifestou? Afinal, eram quatro apartamentos por andar, cem no total.

Porém, o síndico insistiu na emissão da multa, e assim foi feito.

Dias depois, o telefone do gerente tocou; era a mãe da universitária infratora, que residia em outra cidade.

Profissão dela? Advogada!

Um pouco nervosa, mas muito segura de si, ela começou a apresentar inúmeros argumentos sobre a conduta de sua filha: universitária responsável, bem educada, bem orientada em relação aos preceitos condominiais. Disse, também, que sua filha reclamava constantemente do que chamou de perseguição, capricho – sabe-se lá o quê – por parte do vizinho ao lado.

E, para se ter uma ideia, acrescentou:

– Se ela abre a porta do apartamento, ele reclama de barulho. Se, ela entra no banho, toca o interfone. Se ela fala ao telefone, ele reclama.

E tem mais, acrescentou a mãe:

– A festa, citada no último registro – base para a multa – na verdade foi uma reunião com três ou quatro colegas de curso, preparando um seminário…

E arrematou:

– Há fortes indícios, portanto, de que se trata de predisposição contra minha filha, cujo motivo é ignorado…

Complementando, afirmou categoricamente que, além de não pagar a multa, iria ajuizar ação de danos morais contra o condomínio.

Formalizou, então, todo o teor desta conversa em um e-mail enviado à administradora, que foi repassado ao síndico.

Este, refletindo melhor – conforme observadores – cancelou a multa e se desculpou com ela…

skyline sp (18)

Quem mora em ou trabalha com condomínios sabe que um dos problemas mais recorrentes é o barulho, seja qual for sua origem.

O que não significa, no caso concreto, que possamos deixar de lado as boas práticas de gestão, ao observar, diante da única reclamação formalizada, se realmente ‘aquele’ evento ocorreu como está sendo descrito.

Pergunte-se, pelo menos: se foi mesmo um incômodo grande, por que outros vizinhos não reclamaram?

Converse, antes de qualquer providência, com os outros vizinhos. Esse cuidado há que ser tomado desde o primeiro registro, para não correr o risco de se caracterizar reincidência, como o caso aqui descrito.

Publicado em convivência | Marcado com , | Deixe um comentário

Quem foi?!!!

Ele, pediatra, morava naquele condomínio há quase cinco anos. Por se tratar de pessoa séria, objetiva e simpática, passou a ser admirado por todos no edifício. E, apesar do fato de sua profissão, a rigor, não ter muito a ver com o cargo, foi eleito por unanimidade na assembleia da última quarta-feira.

Inegavelmente, um síndico de primeira viagem!

Programou tudo com antecedência, fez cursos, mais de um, presenciais e a distância, leu artigos, conversou com outros síndicos, amigos seus.

Estava realmente disposto a colaborar – super-bem-intencionado – querendo fazer tudo muito certo.

Um tema que o assustou sobremaneira foi a manutenção de um modo geral: prédios caindo, óbitos constatados, síndico sendo preso, a tal da NBR 16.280/2014 que acabara de entrar em vigor.

Cancelou alguns clientes de sua agenda no consultório – queria causar uma boa impressão de chegada – pesquisou, pesquisou, e resolveu chamar direto o Corpo de Bombeiros para um checklist por lá.

E, a respeito disto, não comentou nada com ninguém…

Fez questão de acompanhar a visita, pessoalmente, que acabou por acontecer logo na sexta-feira.

No decorrer da semana seguinte recebeu – em seu nome – um envelope fechado, com o “Comunique-se”, documento oficial daquele órgão, que apontava diversas inconformidades, com prazo para regularizar tudo, além da perspectiva concreta de multa.

E agora?

Pelo visto, somente restou a ele a alternativa de dividir a surpresa com o subsíndico e os conselheiros…

Quem será que dedurou o condomínio? Isto só pode ser coisa de gente que não tem mais o que fazer! – disparou um deles!!!

skyline Punta (4)

Aquele espírito de colaboração por parte de quem mora em condomínios é (deve ser) sempre bem vindo.

O doutor de crianças é um desses raros casos que, saindo da zona de conforto, sacrifica, de certa forma, afazeres profissionais para se dedicar a prestar um bom serviço à coletividade.

Quando se trata de manutenções, penso que não há como contemporizar… Na minha opinião, a despeito da discordância dos demais comunheiros, ele agiu certo ao chamar o Corpo de Bombeiros para avaliar a real situação do prédio.

Quando isso ocorre é praxe o órgão emitir o ‘Comunique-se’ apontando as irregularidades e ou inconformidades, concedendo prazo razoável para que sejam sanadas, para, aí então, voltar a chamá-los para o ateste final.

Parabéns ao doutor!

Publicado em administração | Marcado com , | Deixe um comentário

Alô, amiga! Posso ir visitá-la?

Na extensa área de um bairro nobre, com bosque particular no seu perímetro, há um condomínio-clube de casas onde moram pessoas influentes daquela grande cidade do interior: políticos, empresários e juízes.

Certo domingo de sol, no início da tarde, com familiares em sua casa para o tradicional almoço, tocou seu celular.

A pessoa do outro lado da linha, de nome Ida, nem era sua amiga. Era, na verdade, alguém conhecida na cidade, que ocupava um cargo público, e com a qual havia se encontrado em eventos, bailes beneficentes, no supermercado, no banco…

Ida perguntou se ela se encontrava em casa e se poderia ir visitá-la com uma amiga que queria muito conhecer o condomínio.

Sabia-se, pela imprensa local, que Ida não se encontrava no seu melhor momento profissional. Algumas suspeitas tinham sido levantadas, e ela estava afastada temporariamente de suas funções, inclusive com redução significativa de seus vencimentos.

Apesar de deixar claro que tinha visitas em sua casa e que, portanto, não poderia recebê-la naquele dia, Ida insistiu bastante dizendo que se anunciaria na entrada como visitante dela, mas iria passear com sua amiga que, insistiu nisso, fazia muita questão de conhecer o condomínio.

E, para deixar claro que não iria atrapalhar a tarde de sua interlocutora, Ida ainda argumentou que entraria no condomínio e deixaria o carro estacionado na garagem dela, antes de andar com sua amiga pelo condomínio.

Pelo inusitado da proposta, a moradora ficou em dúvida – por alguns instantes – se concordava com tudo aquilo.

Sem que eu possa acompanhá-la pelo condomínio, não há como autorizar sua entrada. – disse ela.

E se essa tal de Ida vem aqui e resolve ‘tirar satisfação’ com o juiz, que está à frente de seu caso? E se o pior acontecer? Pode sobrar para mim! – ela pensou.

Ida, por sua vez, indignada, do outro lado da linha, soltou alguns impropérios e desligou.

condomínio de casas1

A maioria dos regimentos internos que conheço traz, de forma explícita, a responsabilidade do condômino-morador em relação aos atos praticados por seus visitantes no perímetro condominial. Mesmo quando aluga sua unidade, responde solidariamente pelas infrações ao regimento cometidas pelos locatários.

Esses visitantes, parentes ou não, ou prestadores de serviço que adentram o condomínio para realizar obras, pequenos reparos, ou apenas para fazer alguma entrega, podem, em determinadas situações, deixar o condômino em saia justa.

Nesse sentido, nossa protagonista agiu corretamente, afinal ela não poderia acompanhar sua “amiga” e a insistência desta deixou-a algo desconfortável…

Publicado em segurança | Marcado com , , | Deixe um comentário

Segurança a toda prova

O novo condomínio é de casas num bairro nobre de uma capital do sudeste do país; a assembleia geral de instalação tinha acontecido há apenas alguns dias.

Em nome da gestão democrática decidiram, informalmente, que haveria revezamento na administração do condomínio. Ou seja, a cada ano um dos condôminos seria o síndico.

O alto poder aquisitivo, evidenciado por valiosos carros na garagem, além de motocicletas de altas cilindradas, aliado à movimentação de filhos indo e vindo, com seguranças e babás esbaforidos atrás deles! – ensejava, em tudo por tudo, enredo propício à cobiça de marginais.

Cientes deste risco potencial, os condôminos resolveram contratar uma empresa de consultoria em segurança, cujos donos eram israelenses e haviam trabalhado na polícia secreta de seu país de origem.

Assim, chegou o dia em que o respeitável Manual de Segurança do Condomínio foi entregue. Dezenas de páginas, fina encadernação, papel de qualidade, fotos, gráficos, diagramas, tabelas, passo a passo em cada situação específica, ao entrar, ao sair, nas vinte e quatro horas do dia, cada dia da semana. Tudo detalhado, realmente, um primor!

É preciso lembrar que na entrada da garagem havia uma clausura: um portão externo mais robusto e um portão interno com abertura automática, na vertical, todo design. Uma particularidade digna de nota é que somente o portão interno demorava cerca de vinte a vinte e cinco segundos para abrir, de baixo para cima, bem na vertical.

O processo de adaptação ao novo modelo de segurança transcorria bem até que, em determinado momento, um condômino – executivo e dono de uma grande empresa – saiu atrasado para uma reunião importante. Logo, ele não esperou o portão estar totalmente aberto e saiu com sua Mercedes a toda velocidade… E o portão, ainda subindo, bateu no teto de seu carro.

Além de danificar o carro, o funcionamento do portão também ficou comprometido, colocando em risco as demais pessoas que ali residiam ou trabalhavam. Nem é preciso dizer que mais dois seguranças extras foram contratados, a partir daquele dia, e até que o portão fosse consertado.

Quem pagou por eles?

– Detalhe de somenos importância…

skyline MVD (6)

Todos nós sabemos que a segurança em condomínios é assunto sério, que merece toda atenção.

É óbvio que empreendimentos de alto padrão chamam mais a atenção, pela simples perspectiva de que a ação naqueles locais seria potencialmente mais rentável aos meliantes.

Nunca é demais tomar os cuidados devidos, esmerando-se na prevenção de incidentes que possam colocar em risco a todos que ali transitam, especialmente condôminos e seus familiares.

Dentro, claro, dos respectivos orçamentos…

Publicado em segurança | Marcado com , | Deixe um comentário

O condomínio: abordagens teóricas

Para aqueles que acabam de chegar por aqui, há algum tempo propus uma reflexão às crônicas publicadas no livro “O condomínio daquela rua – Histórias e causos nesse ambiente peculiar”, usando-as como pano de fundo para uma releitura, sob o enfoque das boas práticas de gestão condominial, tendo sempre como norte a legislação pertinente.

São quarenta e três causos, alguns divertidos, outros curiosos, pitorescos, incomuns, até trágicos.

Vamos ver, em seguida, o causo “Segurança a toda prova”.

capa_OCDR_11-11-15_final

A quem interessar o livro está à venda no site http://www.biblioteca24horas.com.br/, e pode ser localizado no menu à esquerda, em “Contos” ou a partir da pesquisa pelo nome do autor. Quem residir em Brasília pode entrar em contato direto comigo.

site editora_compra livro

Ao ensejo, aproveito para divulgar também meu outro livro nessa área de condomínios – Evolução Histórica do Condomínio Edilício, publicado em 2013 pela Scortecci Editora, de São Paulo, um interessante trabalho de pesquisa com 294 páginas a respeito das origens do instituto chamado condomínio desde remotos tempos, em épocas bíblicas, até os dias atuais.

livro

Publicado em diversos | Marcado com | Deixe um comentário

Passeio dominical

O senhor Agamenon morava há menos de um ano naquele condomínio-clube com sete torres e inúmeros itens de lazer… Sozinho!

Ele tinha hábitos totalmente fora dos padrões. Ficava até tarde ouvindo músicas de gosto duvidoso e em alto volume. Saía pouco, mas, quando saía era – via de regra – de madrugada ou no meio da tarde.

Era daqueles que não se importava muito com sua aparência. Suas roupas eram esquisitas; ora muito coloridas, ora inteiramente pretas. Destas, aliás, gostava muito.

Não cumprimentava ninguém, recebia quase nada de correspondências e visitas. Alguns porteiros, que lá trabalharam apenas alguns meses, sequer se lembram de seu nome.

Assembleias ou reuniões nunca o viram. Apesar de sempre ter sido convocado ou convidado para esses encontros, nunca compareceu.

Às vezes andava a esmo pelo condomínio em trajes que lembravam pijamas. Mas, como não incomodava e normalmente já era bem tarde, quase ninguém o via nessas ocasiões.

Porém, naquela madrugada aconteceu!

Justo naquela noite uma grande festa transcorria no salão do condomínio. Eram as primeiras horas do domingo e a festa acabou se estendendo até mais tarde.

O porteiro, meio sonolento no seu posto, olhando as imagens das câmeras de segurança viu, de repente, que alguém estava no elevador sem roupa alguma.

Outra imagem mostrava diversos convivas no hall social…

Pois bem, o senhor Agamenon – nu em pelo – saiu do elevador no pavimento térreo, bem próximo ao salão de festas, deu uma volta com a cabeça erguida, sem fitar propriamente a ninguém, e do jeito que saiu do elevador retornou a ele, e voltou para casa…

skyline sp (100)

É… administrar condomínios não é tarefa fácil!

Depois de quase vinte anos militando nessa área você acha que já viu tudo, que conhece todos os seus meandros, mas, basta um episódio desses para reforçar aquela máxima – no condomínio tudo pode acontecer, tudo!

Como a atitude do condômino não se revestiu de atentado ao pudor, soube-se depois que ele sofria de sonambulismo, não houve maiores consequências. Mas, não fosse por isso, esbarraria na esfera do direito penal, e poderia ensejar que a polícia fosse chamada, ou, pelo menos, se registrasse o boletim de ocorrência, eximindo a administração de qualquer responsabilidade.

Publicado em administração, convivência | Marcado com | Deixe um comentário