O zelador, esse herói!

Neste mês de fevereiro, dia 11, comemora-se o Dia do Zelador.

Essa comemoração teria que ser com toda “pompa e circunstância”, dada a relevância que esse profissional tem no dia a dia do condomínio, fato esse já cantado e contado em verso e prosa.

Suas atribuições também são bem conhecidas, então posso me furtar a listá-las…

De qualquer forma, é uma extensa lista de afazeres diários, semanais, mensais, semestrais, anuais, observando e checando as condições dos equipamentos elétricos, hidráulicos, inclusive aqueles que fazem parte do combate contra incêndios, fachadas, elevadores, sistema de telefonia e interfonia, de pressurização, portões, grupo gerador, se houver, rotas de fuga, área de garagem, jardins, etc., etc., etc.

Na prática, é o coringa na manga do síndico, seja este morador ou não, peça-chave para uma administração efetiva, eficaz e eficiente.

Há quem afirme que nesses dias atuais, com tantas novas exigências, não há mais espaço para aquele zelador das antigas, nosso velho amigo, o grande quebra-galhos de todas as horas, o sujeito que, achando uma brecha na sua concorrida agenda diária, não hesita em ajudar a condômina do ap. 117, que mora sozinha e não entende nada de torneira vazando.

condo2

Não concordo.

Embora o novo zelador – já enquadrado diante da crescente profissionalização na gestão, diante do surgimento de outras competências, principalmente em razão da vertiginosa evolução de tecnologias que a envolvem – esteja cada vez mais presente em empreendimentos de maior complexidade, como os condomínios-clube, os comerciais, os mistos, os de logística, dentre outros, ainda há espaço para o profissional ‘tradicional’.

Por exemplo, aqueles residenciais considerados pequenos, isto é, com poucas unidades, preferencialmente um só bloco, área de lazer restrita, moradores de longa data, são o nicho perfeito para o zelador das antigas.

Ele é tão profissional quanto o outro, apenas se posiciona e age em face da realidade do condomínio em que está inserido, às vezes, há muitos e muitos anos. É aquela pessoa que, quanto se aposenta, mais comumente, ou sai qualquer que seja o motivo, os moradores efetivamente sentem sua falta.

Que fique claro que não sou insensível à natural evolução das coisas, apenas acho que (ainda) há mercado para ambos os perfis.

Sobre Orandyr Luz

Consultor, articulista e palestrante, especialista em gestão condominial. Autor dos livros "Evolução Histórica do Condomínio Edilício", São Paulo/SP: Editora Scortecci, 2013, "O condomínio daquela rua - Histórias e causos nesse ambiente peculiar", São Paulo/SP: Editora Biblioteca 24horas, 2015 e "O condomínio & você - Práticas de gestão condominial", Curitiba/PR: Ed. Juruá, 2018. Ciclista, leitor, cidadão.
Esta entrada foi publicada em administração com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s