Os condomínios na cidade de São Paulo, pelos anúncios d’O Estadão – I

O jornal ‘O Estado de S. Paulo’ nos conta, a partir de 1875, pelos anúncios de lançamentos de imóveis, a história do mercado imobiliário na cidade de São Paulo, ao tempo em que a cidade, com apenas 30 mil habitantes, nem luz elétrica tinha.

Desde curiosos anúncios de chácaras com cachoeiras disponíveis em locais onde hoje se encontram bairros como a Bela Vista, Jardins e outros próximos da área central, passando por aqueles que ofereciam ‘vida de campo’ em áreas como o Jardim América, Pacaembu e Anhangabaú, ou a ‘nova maravilha urbana’, ao se referir, em meados de 1938, ao entorno do ‘novo’ Estádio Municipal, que já estava em obras e seria inaugurado em abril de 1940, até as construções dos edifícios, é possível se traçar a evolução do mercado imobiliário…

Depois vieram os edifícios, começando com o Martinelli, em 1924, o primeiro grande da cidade, com 26 andares e 105 metros de altura. “O projeto foi um tributo do imigrante italiano à cidade que adotou”, segundo informações do Acervo Estadão.

O edifício Rolim, inaugurado em 1928, remete ao modernismo catalão, com uma cúpula no topo revestida de bronze e uma pequena torre que parece um farol, antigamente iluminado, foi projetado pelo arquiteto Hippolyto Gustavo Pujol, tinha 13 andares e era um dos edifícios mais altos de São Paulo, um dos pontos dominantes da paisagem do centro velho.

Imagem

O condomínio Sabará Piauí, na esquina das ruas Sabará e Piauí, no bairro Higienópolis, era apresentado, nos anos 1940, como ‘um verdadeiro poema de cimento e aço’. Foi uma das obras do empreiteiro João Artacho Jurado, que nem arquiteto era, mas deixou exemplos arquitetônicos marcantes na cidade.

Até a guerra, em 1945, influenciou o que era oferecido nos condomínios. O Santa Cecília foi anunciado com a vantagem de ter um moderno abrigo antiaéreo.

O Copan, projetado por Oscar Niemeyer, com 120 mil metros quadrados de área construída, 35 andares e 1.160 apartamentos, foi inaugurado em 1957 e tornou-se um cartão postal de São Paulo e um marco na arquitetura moderna.

Sobre Orandyr Luz

Consultor, articulista e palestrante, especialista em gestão condominial. Autor dos livros "Evolução Histórica do Condomínio Edilício", São Paulo/SP: Editora Scortecci, 2013, "O condomínio daquela rua - Histórias e causos nesse ambiente peculiar", São Paulo/SP: Editora Biblioteca 24horas, 2015 e "O condomínio & você - Práticas de gestão condominial", Curitiba/PR: Ed. Juruá, 2018. Ciclista, leitor, cidadão.
Esta entrada foi publicada em diversos. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s