Mistério desvendado Causo #26

Misteriosamente, preservativos começaram a aparecer no beiral da sacada no primeiro andar, naquele apartamento onde morava um casal com o filho adolescente.

A mãe estava indignada com os vizinhos de cima, pelo tamanho desrespeito!

Após muito pensar sobre o que fazer a respeito do fato, ficou decidido que uma câmera seria instalada, na surdina – lá no jardim, escondida nos troncos daquela frondosa árvore – focalizando a sacada, bem como os andares superiores…

Dona Candinha, a mãe, estava impaciente!

E, até que se conseguisse resgatar as primeiras imagens do sistema, o zelador não tinha sossego. Dona Candinha, a todo o momento, cobrava dele.

Para piorar tamanha ansiedade, o sistema de gravação, a princípio, não havia funcionado direito e, por isso, o técnico contratado fora chamado mais de uma vez para ver o que estava acontecendo.

Enquanto isso – em dias alternados, mas sem nenhuma regularidade – lá estava o preservativo usado na sua sacada.

Mas, finalmente, o grande dia chegou!

E, nas palavras do zelador Cícero, “Dona Candinha estava radiante! Parecia até que vestia roupas novas!”

“Quero ver o safado; quero ver de onde jogam essa porcaria aqui!” – dizia ela.

Então, conforme as imagens iam aparecendo, ela ia se afundando na cadeira, o rosto pálido, apesar dos cremes que – visivelmente – havia utilizado.

Assim, para sua surpresa, espanto, profunda decepção, o autor daquela aviltante prática era – em realidade – seu próprio filho Hamilton que, de vez em quando, tinha tórridos encontros com a empregada…

skyline sp (8)

Viver num condomínio pressupõe certa dose de compreensão diante dos fatos que diariamente se nos depara.

Tirar conclusões precipitadas, quando da serenidade restou apenas uma tênue fumaça, é prática pouco recomendável em qualquer situação, nesta inclusive.

Dificilmente admitimos nossos próprios erros; é muito cômodo apontar o dedo para outrem… É da natureza humana.

Dona Candinha, não se mencionou isso na narrativa, procurou o síndico logo no primeiro evento, exigindo que fossem tomadas providências para aquilo que ela chamou de “absurdo inaceitável”.

Analisemos os problemas de ‘cabeça fresca’, serenos, convictos de que somos nós que os tornamos maiores, mais sérios, insolúveis.

Anúncios

Sobre Orandyr Luz

Consultor, articulista e palestrante, especializado em gestão condominial. Autor dos livros "Evolução Histórica do Condomínio Edilício", Editora Scortecci, 2013, São Paulo/SP, "O condomínio daquela rua - Histórias e causos nesse ambiente peculiar", Editora Biblioteca 24horas, 2015, São Paulo/SP e "O condomínio e você - Práticas de gestão condominial", Ed. Juruá, 2017, Curitiba/PR, no prelo. Ciclista, leitor, cidadão.
Esse post foi publicado em convivência e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s